Em fevereiro, foi defendida, na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a dissertação de mestrado de Ronaldo Martins da Ponte, intitulada "Circuito Condicionar de Ultrabaixo Consumo para Sensor ISFET. A pesquisa foi resultado da colaboração entre o Laboratório de Radiofrequência da UFSC e o Centro de Componentes Semicondutores (CCS) da Unicamp, iniciada a partir de discussões realizadas durante alguns workshops do INCT Namitec.

O trabalho foi desenvolvido no âmbito do Grupo de Pesquisas em Radiofrequência da Universidade Federal de Santa Catarina, liderado pelo professor Fernando Rangel (UFSC). O grupo, cuja missão é desenvolver pesquisa com forte relevância social, tem como principal foco o projeto de circuitos e sistemas de radiofrequência (RF) integrados e discretos para aplicações como as redes de sensores corporais (WBAN), identificação por radiofrequência (RFID), instrumentação sem fio e bioeletrônica, entre outras.

O circuito, desenvolvido durante o mestrado de Ponte, permite o condicionamento de sensores eletroquímicos ISFET (Transistor de Efeito de Campo Sensível a Íons). Esse tipo de sensor pode ser usado em aplicações diversas, como a detecção de chumbo e a medição de pH, e pode ser sensibilizado para a detecção de níveis de glicose.

A dificuldade ao utilizar esse tipo de sensor em aplicações biomédicas implantadas é justamente o consumo de energia. Circuitos de ultrabaixo consumo, como o proposto na dissertação de Ponte, podem vir a ser usados em uma nova geração de redes de sensores sem fio, aplicados a usos biomédicos, como o monitoramento das taxas de glicemia, por exemplo.

“Esse pode ser o primeiro passo para um sensor de glicose implantado, o que poderia mudar a forma como é feita a medição da glicemia para diagnóstico e o tratamento da diabetes melito”, explica Ponte. “No entanto, viabilizar, na prática, esse tipo de sensor ainda requer muita pesquisa e interações que podem exigir algum tempo”, finaliza.

O projeto contou com a colaboração do CCS da Unicamp, liderado pelo professor Alexandre Diniz, que desenvolveu o sensor ISFET utilizado no circuito.

Circuito ISFET

Diagrama de blocos e o circuito desenvolvido

Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer – CTI
Rod. D. Pedro I (SP-65) Km 143, 6, Amarais | CEP. 13069-901 | Campinas – SP | (19) 3746-6188
Financiado com recursos CNPq Proc 573738/2008-4 e FAPESP proc 08/57862-6

 

CAPES CNPq Fapesp INCT CTI Renato Archer MCTI  marcadogovernofederal-2015